DISCIPLINA: História Contemporânea I – Daniel Aarão

6 Jan

História Contemporânea I/GHT 04128

2011/Primeiro semestre

Terças e quintas-feiras: 09 às 11 hs.

Professor Daniel Aarão Reis

 

Ementa

As grandes revoluções que abriram caminho para a sociedade capitalista e liberal: a revolução americana e a revolução francesa. O longo século XIX: 1776/1789-1914.  O liberalismo. Doutrina e práticas. A democracia e as lutas democráticas: doutrinas e práticas. O Estado e seu crescente papel social. Movimento operário, sindicalismo e socialismo. As revoluções de 1848, a Comuna de Paris e as Internacionais Operárias. O processo de urbanização: a evolução das contradições campo-cidade. A questão nacional e o movimento das nacionalidades. Os processos de unificação nacional: Itália e Alemanha. A Europa, a Ásia e a África: o processo da expansão colonial – imperialismo e internacionalização do Capital.  A segunda grande revolução científico-tecnológica e a transformação do mundo. As modernidades alternativas: Alemanha, Rússia, Japão e China.

 

Unidades

Unidade 1: As grandes revoluções e o liberalismo

Unidade 2: Questão nacional, democracia e socialismo

Unidade 3: A segunda grande revolução científico-tecnológica: a expansão colonial européia

Unidade 4: As modernidades alternativas aos modelos liberais

 

Avaliação de conhecimentos

. trabalhos orais

. trabalhos escritos para a página do Núcleo de Estudos Contemporâneos/NEC

 

Assiduidade

. haverá controle rigoroso da assiduidade, não sendo permitida, salvo os casos previstos em Lei, a ultrapassagem da barreira legal das 25% das faltas

. ausências eventuais do professor serão repostas

 

Temas para trabalhos orais e para os trabalhos escritos

. Considerar temas do programa,  textos de apoio (a serem apresentados na primeira aula) e bibliografia (indicações grifadas)

 

 

 

Bibliografia

 

Aarão Reis, D., Azevedo, C., Ferreras, N. , Farias, R., Bruce, M. e Neiva, G. Outras modernidades. 2009, Ed. FGV, Rio de Janeiro

Agulhon, M. 1848, o aprendizado da república. Paz e Terra, SP, 1991

Arendt, H. Da revolução. Atica/UNB, Brasília, 1982

————– As origens do totalitarismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1989

Barraclough, G. Introdução à História Contemporânea. Ed. Guanabara, Rio de Janeiro, 1987

Berlin, I. Pensadores russos. São Paulo, Companhia das Letras, 1988

Berman, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. 1986, Companhia das Letras, São Paulo

Boito Jr., A. (org.) A Comuna de Paris na História. 2001, Cemarx, IFCH/UNICAMP, Campinas

Bresciani, M.S. Londres e Paris no século XIX, o espetáculo da pobreza. Brasiliense, SP, 1989

Bruit, H.H. O imperialismo. Atual, São Paulo, 1994

Brunschwig, H. A partilha da África negra. São Paulo, Perspectiva, 1993

Burke, E. Reflexões sobre a revolução francesa. Brasília, UNB, 1969

Cavalcante, B. A revolução francesa e a modernidade. São Paulo, Contexto, 1991

Chesneaux, J. Ásia Oriental nos séculos XIX e XX. Pioneira, SP, 1982

A revolta dos camponeses. Ulissea, Lisboa, 1975

Claudin, F. Marx, Engels y la revolución de 1848. Ed. Siglo XXI, Mexico, 1975

Conrad, J. O coração da treva. São Paulo, Brasiliense, 1984.

Darnton, R. 1996. O lado oculto da revolução. São Paulo, Companhia das Letras

Daumard, A. 1992. Os burgueses e a burguesia na França. Martins Fontes, São Paulo

De Decca, E. O colonialismo como glória do império. In Reis, Daniel; Ferreira, J. e Zenha Celeste (orgs.) História do Século XX. Rio de Janeiro, Record, 2003 (2a edição), volume 1, pp. 151-181

Duroselle, J.B. A Europa, de 1815 aos nossos dias. Pioneira, SP, 1984

Elias, N. Os alemães. 1997, J. Zahar, Rio de Janeiro

Facina, A. e Castro, R.F. As resistências dos povos à partilha do mundo. In Reis, Daniel; Ferreira, J. e Zenha Celeste (orgs.) História do Século XX. Rio de Janeiro, Record, 2003 (2a edição), volume 1, pp. 211-229

Ferro, M. Falsificações da História. Lisboa, Europa-América, s/d

Falcón, F.J.C. O capitalismo unifica o mundo. In Reis, Daniel; Ferreira, J. e Zenha Celeste (orgs.) História do Século XX. Rio de Janeiro, Record, 2003 (2a edição), volume 1, pp. 11-76

Furet, F. Pensando a revolução francesa, Paz e Terra, São Paulo, 1989

———– e Ozuf, M. (orgs.) Dicionário crítico da revolução francesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1989

Gay, Peter. O cultivo do ódio: a experiência burguesa da rainha Vitória a Freud. São Paulo, Companhia das Letras, 1995

Godechot, J. As revoluções, 1770-1799. Pioneira, SP, 1976

Heale, M.P.J. A revolução americana. São Paulo, Atica, Coleção Princípios

Hill, C. O mundo de ponta-cabeça. Cia. das Letras, SP, 1987

Hobsbawn, E. A era das revoluções. Paz e Terra, RJ, 1972

—————— A era do capital. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982

——————-(org.) História do Marxismo. Paz e Terra, SP, 1982-1986,    vols. I-II

——————- Os trabalhadores. Paz e Terra, RJ, 1981

——————- Revolucionários. Paz e Terra, RJ, 1982

——————- Mundos do Trabalho. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987

——————- A invenção das tradições. Paz e Terra, SP, 1984

——————- Ecos da Marselhesa. Companhia das Letras, SP, 1996

——————-Da revolução industrial ao imperialismo. Rio de Janeiro, Forense, 1978

——————-A era dos impérios. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989

Iglesias, F. A Revolução Industrial. Brasiliense, SP, 1981

Ingerflom, C.S.N. A modernidade sem Estado: por uma história política descentralizada. In Aarão Reis, D., Mattos, H., Oliveira, J.P., Moraes, L.E. de S. E Ridenti, M. Tradições e Modernidades. 2010, Ed. FGV, Rio de Janeiro

Lefebvre, G. O grande medo de 1789. Campus, RJ, 1979

1789, o surgimento da revolução francesa. Paz e Terra, SP, 1989

Lenin, V. I. O imperialismo, estágio superior do capitalismo.

Linhares, M. Y. A luta contra a metrópole. Brasiliense, SP, 1981

Lowy, Michael e Sayre, R. Revolta e melancholia. O romantismo na contramão da modernidade. Petrópolis, Vozes, 1995

Mayer, A. A força da tradição: a persistência do Antigo Regime, 1848/1914. São Paulo, Companhia das Letras, 1987

Martinho, F.C.P. Resistências ao capitalismo: plebeus, operários e mulheres. In Reis, Daniel; Ferreira, J. e Zenha Celeste (orgs.) História do Século XX. Rio de Janeiro, Record, 2003 (2a edição), volume 1, pp. 183-210

Marx, K. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. Escriba, SP, 1968

O Manifesto Comunista

A guerra civil na França. In Obras Escolhidas, vol. 2, Ed. Alfa-Omega, SP, s/d, pp 39-103

Michelet, J. História da revolução francesa. São Paulo, Companhia das Letras, 1989

Moore Jr. B. Injustiça, as bases sociais da obediência e da revolta. Ed. Brasiliense, São Paulo, 1987

As origens sociais da ditadura e da democracia. Ed. Martins Fontes, Lisboa, 1983

Perrot, M. Os excluídos da História: operários, mulheres e prisioneiros. São Paulo, Brasiliense, 1987

Reis Fº, D. Comuna de Paris: última revolução plebéia ou primeira revolução proletária? in Revista da ADUEL, vol. 2, nº 2, julho/dezembro de 1997, Londrina, Paraná

————— (org.) O Manifesto Comunista, 150 anos. Contraponto, RJ, 1998

—————(org. c/ Jorge Ferreira e Celeste Zenha): História do Século XX, 2000, Rio de Janeiro, Record, volume 1

Revista da ADUEL: 125 anos da Comuna de Paris. Vol. 2, nº 2, julho/dezembro de 1997, Londrina, Paraná

Rodrigues, A.E.M. As revoluções burguesas. In Reis, Daniel; Ferreira, J. e Zenha Celeste (orgs.) História do Século XX. Rio de Janeiro, Record, 2003 (2a edição), volume 1, pp. 77-150

Rudé, G. A multidão na História. Rio de Janeiro, Campus, 1991

Said, E.W. Cultura e imperialismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1995

Sellers, C., McMillen, R., May, H.  Uma reavaliação da história dos EUA. Rio de Janeiro, Zahar, 1990

Schumpeter, J.A. Imperialismo e classes sociais. Rio de Janeiro, Zahar, 1961

Skopol, T. Estados e revoluções sociais. Ed. Presença, Lisboa, 1985

Soboul, A. História da Revolução Francesa. DIFEL, SP, 1979

Spence, J. Em busca da China moderna. São Paulo, Companhia das Letras, 1995

Thompson, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987 (3 vols.)

——————— As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. In A.L. Negro e S. Silva (orgs.), Campinas, Unicamp, 2001

Tocqueville, A. L’ancien régime et la révolution. Gallimard, Paris, 1967

——————– 1998 (4a edição). A democracia na América. Itatiaia, Belo Horizonte

 

Indicações bibliográficas suplementares serão apresentadas no início do Curso, em março de 2011

 

 

 

 

 

 

História Contemporânea I

2011 – primeiro semestre

Prof. Daniel Aarão Reis

 

Referências para a elaboração dos trabalhos escritos

 

.  considerar o público alvo: estudantes e professores do ensino médio

. a temática deve ser escolhida no âmbito do grande século XIX: da revolução americana ao início da I Grande Guerra

. texto autoral,  conciso, claro, linguagem simples e cuidada; preferir a narrativa densa a debates conceituais

. quando for o caso de citar autores, não deixar de relacioná-los na bibliografia indicada

. reduzir notas ao essencial

. inserção de pequenos textos de época: comentários, interpretações, declarações, discursos, gráficos, etc.

. imagens – duas ou três sobre o tema considerado

. bibliografia em lingua portuguesa – cinco a dez autores

. filmografia de apoio

. o texto principal (não contando bibliografia, filmografia e inserção de textos de época) deve ter entre 3 e 5 páginas (6 mil a 10 mil caracteres)

. a quaisquer regras, privilegiar a própria imaginação

 

Janeiro, 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

História Contemporânea I

2011. Primeiro semestre

 

Programação das aulas

 

01. Apresentação

Unidade I

02. A revolução americana – I

03. A revolução americana – II

04. A revolução francesa – I

05. A revolução francesa – II

06. O liberalismo – a matriz anglo-saxônica

07. O liberalismo – a matriz francesa

08. O liberalismo realmente existente

Unidade II

09. As propostas e lutas democráticas

10. As propostas socialistas da primeira metade do século XIX

11. As revoluções de 1848

12. Os movimentos operários e a AIT

13. A Comuna de Paris

14. A Internacional Socialista

15. Liberalismo, socialismo e a questão nacional

16. A unificação italiana

17. A unificação alemã

Unidade III

18. A segunda grande revolução científico-tecnológica – I

19. A segunda grande revolução científico-tecnológica – II

20. A expansão das grandes potências entre 1870 e 1914 – I

21. A expansão das grandes potências entre 1870 e 1914 – II

22. As resistências à expansão européia: a China

23. As resistências à expansão européia: África sub-sahariana e mundo muçulmano

24. Imperialismo e Internacionalização do capital

Unidade IV

25. Modernidades liberais e modernidades alternativas

26. As modernidades alternativas: o caso alemão

27. As modernidades alternativas: o caso russo –

28. As modernidades alternativas: o caso do Japão

29. As modernidades alternativas: o caso da China

DISCIPLINA: Abolicionismos em perspectiva comparada: BR e EUA – Larissa Viana

6 Jan

Disciplina: Abolicionismos em perspectiva comparada: Brasil e Estados Unidos

Eixo: História da Cultura e Mentalidades

Docente: Larissa Viana

Horário: 3ª e 5ª  /  9-11h.

 

Ementa: Esta disciplina discutirá o abolicionismo em perspectiva Atlântica, através do exame das relações entre Inglaterra, Brasil e Estados Unidos na construção de diferentes linguagens e práticas sobre a emancipação da escravidão ao longo do século XIX. Sob o ponto de vista mais local, o curso examinará as trajetórias sócio-políticas  de diferentes atores envolvidos no contexto da abolição e do pós-emancipação no Brasil e nos Estados Unidos: Joaquim Nabuco, Luiz Gama, André Rebouças, W.E.B. Du Bois, entre outros.

A disciplina interessará aos alunos que buscam discutir a historiografia sobre o tema, e sobretudo, atenderá àqueles que desejam explorar fontes primárias e filmografia contemporânea concernentes ao assunto.

Avaliação: Será combinada no primeiro dia de aula, considerando o número de alunos inscritos. Em linhas gerais, pretende-se que a avaliação consista em apresentação de texto em sala, seminário oral  e relatório escrito do referido seminário (em grupo). 

Bibliografia básica:

 

Azevedo, Celia Marinho de.  Abolicionismo: Estados Unidos e Brasil, uma história comparada, século XIX. São Paulo: Annablume, 2003.

 

Azevedo, Elciene. Orfeu de carapinha. A trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas : Editora da Unicamp, 1999.

 

Bethell, Leslie; Carvalho, José Murilo. Joaquim Nabuco e os abolicionistas britânicos. Rio de Janeiro: Topbooks, 2008.

 

Blackburn, Robin. A queda do escravismo colonial, 1776-1848. Rio de Janeiro: Record, 2002.

Costa, Emilia Viotti da. A abolição. São Paulo: Ed. Unesp, 2008.

Cunha, Olivia Maria Gomes da.;Gomes,  Flavio dos Santos . Quase Cidadão. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 2007.

 

Du Bois, W.E.B.  As Almas da Gente Negra (tradução, introdução e notas de Heloisa Toller Gomes). Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 1999.

 

Gilroy, Paul. O Atlântico Negro, modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: UCAM/Editora 34, 2001.

 

Gomes, Flavio dos Santos; Soares, Carlos E. L. “Sedições, haitianismo e conexões no Brasil: outras margens do Atlântico negro. Novos Estudos. CEBRAP, São Paulo, v. 63, pp. 131-144, 2002.

 

Grinberg, Keila. “Alforria, Direito e Direitos no Brasil e nos Estados Unidos”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 27, pp. 63-83, 2001.

 

Horne, Gerald.  O Sul mais distante: Os Estados Unidos, o Brasil e o tráfico de escravos africanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

 

Machado, Maria Helena. O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da abolição. São Paulo: Edusp, 1994.

Mendonça, Joseli  Maria Nunes. Entre a mão e os anéis: a Lei dos sexagenários e os caminhos da abolição no Brasil. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

 

Nabuco, Joaquim. O Abolicionismo. Brasília: Editora UNB, 2003.

 

Pereira, Amilcar Araujo.  “O Mundo Negro”: A constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil. Tese de Doutorado, Dep. de Historia, UFF, 2010.

 

Petrônio, José Domingues, “A visita de um afro-americano ao paraíso racial”. Revista de História (USP). Vol. 155 (2ª), pp. 161-181, 2006.

 

Reis, João; Gomes, Flavio dos Santos; Carvalho, Marcus J. M. de.  O Alufá Rufino. Tráfico, Escravidão e Liberdade no Atlântico Negro (1822-1853). São Paulo: Cia das Letras, 2010.

 

Rocha, Antonio Penalves. Abolicionistas brasileiros e ingleses: a coligação entre Joaquim Nabuco e a British Anti – Slavery Society (1880-1902). São Paulo: Ed. Unesp, 2008.

 

Silva, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura: uma investigação de história cultural. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.

DISCIPLINA: História Moderna – Márcia Motta

6 Jan

Professora: MÁRCIA MOTTA

Disciplina: HISTÓRIA MODERNA

Tipo: —-BÁSICO—

Eixo Cronológico: Linha Temática:

Período:         –                      Turno: M     Horário: segunda das 09 às 13 horas

N                     segunda das 18 ás 22 horas

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: HISTÓRIA MODERNA

Ementa:

§     : Formação e crise da sociedade de Antigo Regime e a Idéia da Revolução com base na produção historiográfica e ou fontes primárias relacionadas a um dos seguintes temas: a) Monarquia Absolutista, Mercantilismo e Sociedade de Ordens; b) Renascimento, Reforma e Revolução; c) Cidadania, Razão e Liberdade; d) Movimentos Sociais, culturais e protesto popular; e) Antigo Regime, crise e Revolução.

Objetivos: Discutir as principais marcas interpretativas em História Moderna. Analisar a produção historiográfica sobre absolutismo e mercantilismo. Discutir a relação entre Antigo Regime e protesto popular. Analisar a relação entre Antigo Regime, Reforma e Revolução.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutismo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BURKE, Peter. A Fabricação do Rei – a construção da imagem pública de Luis XIV. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

CIPOLLA. Carlo M. História Econômica da Europa Pré-Industrial. Lisboa: Edições 70, 1984.

DELUMEAU, Jean. A Civilização do Renascimento. Lisboa Estampa, 1984.

DARNTON, Robert. Edição e Sedição – ou o universo da literatura clandestina no século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ELIAS, Norbert. A Sociedade de Corte. Lisboa: Estampa, 1987.

HILL, Christopher. O mundo de ponta-cabeça – idéias radicais da Revolução Inglesa de 1640. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

VENTURI, Utopia e Reforma no Iluminismo. Bauru: Edusc, 2003.

VOVELLE, Michel. O Homem do Iluminismo. Lisboa: Presença, 1997.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1996.

DISCIPLINA: A representação do passado no cinema latinoamericano dos anos 1980 – Alcilene Cavalcantte

6 Jan

Disciplina: A representação do passado no cinema latinoamericano dos anos 1980

Professora: Alcilene Cavalcante

Horário: 3ª e 5ª das 9h às 11h

Observação: as aulas de 5ª feira devem ser realizadas em sala que disponha de  recursos audiovisuais (Projetor, DVD, TV…)

 

Ementa: Nesse curso, abordaremos a relação entre História e Cinema, destacando a especificidade do filme como fonte histórica, bem como a representação do passado em filmes realizados no Brasil e na Argentina na década de 1980.

 

Bibliografia

 

CAPELATO, Maria Helena; MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos; SALIBA, Elias T. (orgs). História e Cinema. São Paulo: Alameda, 2007.

 

CARDOSO, Ciro Flamarion; MAUAD, Ana Maria. História e Imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: CARDOSO, Ciro Flamarion, VAINFAS, Ronaldo (orgs). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

 

CHARTIER, Roger. A História Cultural entre práticas e representações. Col. Memória e sociedade. Trad. Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990

 

FELD, Claudia; MOR, Jessica Stites (comp.) El pasado que miramos: memória e imagen ante la historia reciente. Buenos Aires: Paidós, 2009

 

FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

KORNIS, Mônica Almeida. Cinema, Televisão e História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

 

LAGNY, Michèle. Cine y Historia. Problemas y métodos en la investigación cinematográfica. Barcelona: Bosch Casa Editorial, 1997.

 

LOPES, Antonio Herculano; VELLOSO, Monica; PESAVENTO, Sandra (orgs.). História e Linguagens: texto, imagem oralidade e representações. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006.

 

NÓVOA, Jorge; FRESSATO, Soleni Biscouto; FEIGELSON, Kristian (orgs). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Editora da UNESP, 2009.

 

RAMOS, Alcides Freire. Canibalismo dos fracos. Cinema e história no Brasil. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2002.

 

ROSENSTONE, Robert. A história nos filmes, os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

 

 

DISCIPLINA: Características básicas da cultura na era da cidade-Estado

6 Jan

Horário: SEG/QUA: 09/11h

Professor: Ciro Flamarion Cardoso

Disciplina: História da cultura, mentalidades e ideologias na Antiguidade

Tipo: ——-

Eixo Cronológico: H. Antiga Linha Temática: Cultura, mentalidades, ideologias

Período:         01-2011                      Turno: A1      Horário: segundas e quartas-feiras, 9-11 hs

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: Características básicas da cultura na era da cidade-Estado

Ementa: O curso tratará de abordar em forma sumária os aspectos intelectuais na era da cidade-Estado antiga (grecorromana), o que significa uma ênfase especial nos períodos de apogeu e autonomia dessa forma política e social (séculos VIII-IV a.C. no caso grego, V-I a.C. no caso romano).

Objetivos: (1) Proporcionar um conhecimento geral acerca do tema do curso.

(2) Ler e debater em sala de aula as principais fontes primárias atinentes ao tema cuja análise seja factível nesse contexto.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras): indicações sumárias cuja finalidade é exemplificar.

CASSIN, Barbara (org.). Nuestros griegos y sus modernos: Estrategias contemporáneas de apropiación de la Antigüedad. Buenos Aires: Manantial, 1994.

 

FUNARI, Pedro Paulo A. et alii (orgs.). Amor, desejo e poder na Antiguidade. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

 

GALLEGO, Julián (org.). Prácticas religiosas, regímenes discursivos y el poder político en el mundo grecorromano. Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires, 2001.

 

JOLY, Fábio Duarte (org.). História e retórica: Ensaios sobre a historiografia antiga. São Paulo: Alameda, 2007.

 

LIMA, Alexandre Carneiro C.; Adriene Baron tacla (orgs.). Experiências politeístas. Cadernos do C.E.I.A. 1, 2008.

 

MIRANDA CANCELA, Elina. Comedia y sociedad en la antigua Grecia. La Habana: Editorial Letras Cubanas, 1982.

 

MOMIGLIANO, Arnaldo. As raízes clássicas da historiografia moderna. Bauru: Edusc, 2004.

 

SNELL, Bruno. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. São Paulo: Perspectiva, 2001.

 

SNODGRASS, Anthony. Homero e os artistas. São Paulo. odysseus, 2004.

 

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os gregos, os historiadores e a democracia: O grande desvio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DISCIPLINA: Imagem, Cultura e História – Silvana Louzada

6 Jan

Horário: SEG/QUA: 18/20h.

Profa. Dra. Silvana Louzada

 

SEMINÁRIO: Imagem, Cultura e História

EMENTA: Estudo da imagem como fenômeno moderno e contemporâneo. A representação da realidade sob a forma da imagem. Características das imagens. Cultura, percepção e imagem. Ontologia da imagem. A imagem tradicional e as imagens técnicas. A imagem como instrumento de representação e construção da história contemporânea.

 

Objetivo – Discutir as possibilidades de identificação e interpretação da imagem na sociedade contemporânea a partir da evolução das representações imagéticas. Instrumentalizar o aluno para reconhecer a importância da imagem no processo histórico permanente de construção da cultura.

 

Programa:

 

PARTE I – Elementos da História da Imagem

Ø  A imagem nas sociedades primitivas

Ø  A noção de perspectiva – superfície e profundidade

Ø  A câmera obscura

Ø  A fotografia inaugurando a era das imagens técnicas

Ø  O instantâneo e a apreensão do invisível

Ø  Imagem técnica e objetividade

Ø  Imagem e representação

 

PARTE II – Imagem, modernidade e contemporaneidade

Ø  A representação do real e a construção da realidade

Ø  Imagem técnica e produção de sentido na modernidade

Ø  A imagem nos meios de comunicação de massa

Ø  Leitura das imagens

Ø  Imagens fixas e em movimento

Ø  As novas tecnologias contemporâneas

 

 

Bibliografia preliminar:

 

BARTHES, Roland. A Câmara Clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1984.

_____ A mensagem fotográfica, in Teoria da comunicação de massa, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1978.

 

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In Obras Escolhidas. Vol. I. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1996.

_____ Pequena História da Fotografia. in: Obras Escolhidas. São Paulo, Brasiliense, 1995.

_____ Daguerre o los panoramas. In: sobre La fotografía, Valência: Pre-textos, 5ª ed, 2008.

 

BERGER, John. Modos de Ver. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1999. pp 9 a 36

 

CRARY, Jonathan. In Charney & Schwartz (orgs.) O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

_____ Suspensiones de La percepción:

 

LYSSOVSKY, A máquina de esperar: origem e estética da fotografia moderna. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

 

MACHADO, Arlindo. In Flusser, Vilém. Ensaio Sobre a Fotografia: Para uma Filosofia da Técnica. (Filosofia  da Caixa Preta). Lisboa: Relógio D’Água Editores. 1998.

_____ O quarto iconoclasmo e outros ensaios hereges. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2001.

 

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: Charney, Leo; Schwartz, Vanessa (orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cossacnaify, s/d. PP.95 a 123

 

FLUSSER, Vilém . Filosofia da caixa preta. São Paulo: HUCITEC, 1985.

 

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre o documento e a arte contemporânea. São Paulo: Senac, 2009.

 

SONTAG, Susan. Ensaios sobre a fotograifa. Rio de Janeiro: Arbor, 1981

_____ Diante da dor dos outros. São Paulo, Cia das Letras, 2003.

 

XAVIER, Ismail. Cinema: Revelação e Engano. In: Novaes, Adauto (org). O Olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

DISCIPLINA: História da Fotografia – Silvana Louzada

6 Jan

Horário: SEG / QUA: 20/22h

 

Profa. Dra. Silvana Louzada

DISCIPLINA: História da fotografia

EMENTA

 

A eclosão da imagem técnica na primeira metade do século XIX representa o coroamento de diversos processos técnicos e culturais e transforma a relação do homem com o outro e altera sua forma de estar no mundo. Pela primeira vez na história é possível, através da imagem, alcançar lugares remotos e visualizar povos e culturas distantes.

O curso História da Fotografia analisa a produção fotográfica desde os primórdios até a atualidade, dimensionando as transformações que a nova linguagem instaura no cotidiano e no imaginário de parte do mundo ocidental e investigando as transformações inerentes ao desenvolvimento histórico da própria linguagem fotográfica.

Visa fornecer um amplo panorama da evolução da fotografia no mundo e no Brasil, abordando os principais movimentos artísticos, culturais e estéticos, assim como a evolução tecnológica da fotografia e seus desdobramentos.

 

OBJETIVOS

 

Fornecer subsídios para a análise histórica da produção fotográfica desde sua descoberta até a contemporaneidade, visando o entendimento da fotografia como resultado de processos culturais, artísticos e tecnológicos.

Examinar o desenvolvimento tecnológico e expressivo da linguagem, os principais fotógrafos, escolas e movimentos artísticos, assim como os principais movimentos documentais.

Relacionar a produção fotográfica contemporânea e as novas tecnologias com a história da fotografia.

Incitar a leitura crítica das imagens e o entendimento dos processos culturais e tecnológicos envolvidos em sua produção.

 

 

CONTEÚDO

Unidade 1 – As descobertas da fotografia e as primeiras tecnologias

1.1 – A Câmera Obscura e os processos fotoquímicos que precedem a invenção da fotografia.

1.2 – O despontar da fotografia no século XIX. Os principais inventores e a invenção isolada da fotografia no Brasil.

1.3 – O daguerreótipo e o processo negativo-positivo.

1.4 – Colódio úmido, placas secas, albumina: a busca do processo e do suporte ideais.

1.5 – A evolução tecnológica: objetivas, revelação e sensibilidade.

Unidade 2 – Tendências fotográficas no século XIX

2.1 – A descoberta fotográfica do mundo e a busca de imagens exóticas. A fotografia explora o globo.

2.2 – As expedições científicas e a fotografia no Brasil

2.3 – Fotografia e Guerra – limitações tecnológicas e censura. O público e as imagens sensacionais.

2.4 – A fotografia e as ciências: antropologia, medicina e astronomia.

2.5 – Retrato, nu,  medicina e identificação policial.

2.6 – A popularização da fotografia: Disdéri e o cartão de visita fotográfico.

2.7 – Captando o movimento: Marrey e Muybridge.

 

Unidade 3 – A fotografia como fenômeno de massa

3.1 – A Kodak nº 1: “Você aperta o botão, nós fazemos o resto”. O surgimento da fotografia amadora.

3.2 – O halftone e a reprodução direta da fotografia na imprensa.

3.3 – Ermanox e Leica: a liberação do fotógrafo.

3.4 – O instantâneo e a liberdade de fotografar

 

Unidade 4 – fotografia moderna e vanguardas: a fotografia como arte.

4.1 – O pictorialismo e a Photo Secession. Fotografia e arte.

4.2 – A Galeria 291 e a revista Camera Work.  A straight photography.

4.3 – A fotografia moderna no Brasil. Os fotoclubes.

4.3 – Dadaísmo e surrealismo.

 

Unidade 5 – A fotografia de documentação social e o fotojornalismo

5.1 – Os precurssores: Jacob Hiis e Lewis Hine.

5.2 ­– O fotodocumentarismo a serviço do Estado: o Farm Security Administration e a experiência da expedição Rondon.

5.3 – A guerra como tema privilegiado: a Guerra Civil Espanhola, a II Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã.

5.4 – As revistas ilustradas; a revista Life e O Cruzeiro.

5.5 – A Agência Magnum e o novo estatuto do fotógrafo.

5.6 – A fotografia e os jornais diários

5.7 – As agências independentes no Brasil.

5.8 ­– A fotografia documental e a imersão no objeto.

 

Unidade 6 – A fotografia contemporânea e as novas tecnologias

6.1. Fotografia e arte: multiplicidade de suportes e hibridização da linguagem.

6.2. Os suportes digitais e suas implicações.

6.3. A história da fotografia, técnica e linguagem, o fotógrafo do século XXI.

Bibliografia Preliminar

 

FABRIS, Annateresa (org). Fotografia: usos e funções no Século XIX. São Paulo: Edusp, 1991. páginas.

FERNANDES JUNIOR, Rubens Labirinto e identidades: panorama da fotografia no Brasil [1946-98], Cosac & Naif, São Paulo, 2003.

KOSSOY, Boris Hercules Florence – 1833: a descoberta isolada da Fotografia no Brasil Faculdade de Comunicação Social Anhembi – SP – 1977

____Origens e expansão da fotografia no Brasil – século XIX, Mec:Funarte, RJ, 1980.

MAUAD, Ana Maria. O Olho da História: fotojornalismo e a invenção do Brasil contemporâneo In: História e Imprensa: representações culturais e práticas de poder. 1ª ed. Rio de Janeiro : Faperj/DP&A Editora, 2006, v.1, p. 365-385.

SONTAG, Susan. Diante da Dor dos Outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SOUSA, Jorge Pedro. Uma História Crítica do Fotojornalismo Ocidental. Chapecó: Grifos; Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2000.

VASQUES, Pedro D.Pedro II e a fotografia no Brasil, Fund.Roberto Marinho:Companhia Internacional de Seguros, RJ, 1993.

____A Fotografia no Império, Coleção Descobrindo do Brasil, Zahar, Rio de Janeiro, 2002

Horários de História 2011-1

5 Jan

Estes são os horarios do curso para o primeiro semestre do ano de 2011.

Lembrando que eu só reproduzo o que a coordenação manda por email pela lista do ggh-uff.

Para vizualizar o horário, é só clicar no link abaixo e efetuar o download.

Horário do Ciclo básico

Horário de Econômico-Social

Horário de Cultura, Mentalidades e Ideologias

Horário de Poder e Idéias Políticas

Horário das  Instrumentais

(Juntando tudo, Horário completo )

As ementas serão postadas conforme enviadas pela coordenação.

Abraços,

Zacca.

 

GAP 04001

D 1

Antropologia I

09/11

09/11