Archive | [Instrumental] RSS feed for this section

DISCIPLINA: História e Biografia – Ronaldo Vainfas

6 Jan

Professor: Ronaldo Vainfas

Disciplina: História e Biografia

Tipo: Instrumental

Período: 01-2011       Turno: Manhã        Horário: Terças e quintas, de 09 às 11 hs

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: HISTÓRIA E BIOGRAFIA

Ementa: Estudo da biografia histórica como gênero. Abordagem teórico-metodológica e de casos específicos.

Programa preliminar:

Unidade I –  A biografia como gênero historiográfico

1. Biografia e historicismo

2. Crise e renascimento do gênero

3. Micro-história e prosopografia

4. Ilusão biográfica?

Unidade II – Biografia e personagen: celebração, vitimização, mitificação

1. Hagiografia, biografia e história

2. História, monumento e biografia

3. Romance histórico e biografia

4. Auto-biografia intelectual e ego-história

5. Diário, memória e auto-biografia

Unidade III – A biografia, suas metodologias e estratégias narrativas

1.  Biografias de grandes personagens

2.  Micro-biografias e micro-análise

3.  História Oral e biografia

4.  Biografia, história e teatro

5.  Biografia, história e cinema

Objetivos: Analisar a história da biografia enquanto gênero historiográfico e apresentar as dificuldades e possibilidades da pesquisa biográfica em história e na perspectiva transdisplinar.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

01. BARBIN, Herculine. O diário de um hermafrodita. Rio de Janeiro, Graal, 1983.

02. BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica”. In: M.de M.Ferreira e J.. Amado. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro, FGV,  pp.183-191.

03. BURKE, Peter (org). P.Burke (org). A escrita da história. Trad. São Paulo, UNESP, 1992

04. CHARTIER, Roger. “A história hoje: dúvidas, desafios, propostas”. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v.7 (13), 1994.

05. FOUCAULT, Michel. Eu, Pierre Riviere, que Degolei Minha Mãe, Minha Irmã e Meu Irmão. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

06. GINZBURG, Carlo. “O nome e o como”. In: A micro-história e outros ensaios. Lisboa, Difel, 1989.

07. LE GOFF, Jacques et al. Ensaios de Ego-história. Lisboa, Edições 70, 1989.

08.  PALHARES-BURKE, Maria. L. As faces da história. S.Paulo, UNESP, 2000

09. REVISTA ESTUDOS HISTÓRICOS. Dossiê Heróis nacionais. v.14, n.25, 2000.

10. STONE, Lawrence. “Prosopography. In: Daedalus, 100:46-79, 1971.

DISCIPLINA: Oficinas de História – Laura Maciel

6 Jan

Professor: Laura Antunes Maciel

Disciplina:    OFICINAS DE HISTÓRIA

Código: GHT ???

Tipo: Instrumental

Eixo Cronológico: Linha Temática:

Período: 1/2011      Turma: N1               Horário: 3a: 18/20 – 5a: 18/20

Ementa: Reflexão crítica sobre prática de pesquisa em História. Exercícios práticos de análise documental e bibliográfica; Iniciação à redação de textos acadêmicos diversos.

 

________________Programa de Disciplina__________________________

Título do Programa:

 

Objetivos:

Proporcionar aos alunos situações concretas de iniciação à pesquisa histórica, confrontando possibilidades de abordagem com os procedimentos de análise documental;

Exercitar procedimentos metodológicos básicos de pesquisa e análise bibliográfica;

Iniciar os alunos nos requisitos e procedimentos para elaboração de textos acadêmicos de natureza diversa;

 

Unidades:

A pesquisa em história: problemas, fontes, métodos;

Arquivos, museus, bibliotecas: reconhecendo acervos e suas possibilidades;

Fontes de conhecimento histórico: tipologias documentais e procedimentos de análise;

Produzindo textos acadêmicos: seleção de argumentos, interpretação e construção de narrativas.

 

Bibliografia de Referência:

ALBERTI, Verena. Histórias dentro da História. IN: PINSKY, Carla B. (org.). Fontes históricas. São Paulo, Contexto, 2005.

AMORIM, Eliane Dutra. Arquivos, pesquisa e as novas tecnologias. IN: FARIA FILHO, Luciano(org.) Arquivos, fontes e novas tecnologias. Questões para a história da Educação. Campinas, Autores Associados, 2000.

BOSCHI, Caio César. Por que estudar História? São Paulo: Ática, 2007.

BOSCHI, Caio. O historiador e os arquivos históricos: um depoimento pessoal. História & Perspectivas, nº 20/21. Uberlândia: EDUFU, 1999.

CARR, Edward H. O que é história? Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1980 .

CERTEAU, Michel de. A Escrita da história. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982.

CHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tabula rasa do passado? São Paulo, Ática, 1995.

FENELON, Déa Ribeiro. “A formação do profissional de história e a realidade do ensino”. Projeto História, 2, São Paulo, PUC/SP, 1982.

FONTANA, Josep. História: Análise do passado e projeto social. Bauru/São Paulo, EDUSC, 1998.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre História. Ensaios. São Paulo, Cia das Letras, 1998.

LARA, Sílvia Hunold. “Os documentos textuais e as fontes do conhecimento histórico”. Anos 90, Porto Alegre, v. 15, n. 28, dez. 2008.

LARA, Sílvia Hunold. “História, memória e museu”. Revista do Arquivo Municipal. São Paulo, Departamento do Patrimônio Histórico, n.200, 1991.

LARA, Sílvia. “Processos crime: o universo das relações sociais”. Anais do Museu Paulista, 33, 1984.

MATTOS, Ilmar Rohloff de (org.). Ler & escrever para contar. Documentação, historiografia e formação do historiador. Rio de Janeiro, Access. 1998.

SILVA, Marcos A. da (org.) – Repensando a História. 3a ed. Rio de Janeiro, Editora Marco Zero, s.d

SILVA, Marcos. História: o prazer em ensino e pesquisa. São Paulo, Brasiliense, 1995

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Brasília, UnB, 1998.

VIEIRA, Maria do Pilar de A. e outros. A pesquisa em história. São Paulo, Ática, 1989.

XAVIER, Regina. “A produção do conhecimento e sua apresentação: das fontes à elaboração do texto: o processo da escrita.” Diálogo. Canoas. La Salle, n.5, 2004.

Avaliação: (Procedimentos de avaliação)

1. Participação nas discussões e atividades durante as aulas;

2. Realização dos exercícios escritos;

3. Trabalho escrito individual a ser definido;

Observações:

As visitas técnicas a museus, arquivos e bibliotecas integrarão a carga horária da disciplina e serão realizadas em horários extras (no período da manhã ou tarde). Elas serão programadas e agendadas a partir das necessidades do curso e da disponibilidade dos alunos.

DISCIPLINA: Imagem, Cultura e História – Silvana Louzada

6 Jan

Horário: SEG/QUA: 18/20h.

Profa. Dra. Silvana Louzada

 

SEMINÁRIO: Imagem, Cultura e História

EMENTA: Estudo da imagem como fenômeno moderno e contemporâneo. A representação da realidade sob a forma da imagem. Características das imagens. Cultura, percepção e imagem. Ontologia da imagem. A imagem tradicional e as imagens técnicas. A imagem como instrumento de representação e construção da história contemporânea.

 

Objetivo – Discutir as possibilidades de identificação e interpretação da imagem na sociedade contemporânea a partir da evolução das representações imagéticas. Instrumentalizar o aluno para reconhecer a importância da imagem no processo histórico permanente de construção da cultura.

 

Programa:

 

PARTE I – Elementos da História da Imagem

Ø  A imagem nas sociedades primitivas

Ø  A noção de perspectiva – superfície e profundidade

Ø  A câmera obscura

Ø  A fotografia inaugurando a era das imagens técnicas

Ø  O instantâneo e a apreensão do invisível

Ø  Imagem técnica e objetividade

Ø  Imagem e representação

 

PARTE II – Imagem, modernidade e contemporaneidade

Ø  A representação do real e a construção da realidade

Ø  Imagem técnica e produção de sentido na modernidade

Ø  A imagem nos meios de comunicação de massa

Ø  Leitura das imagens

Ø  Imagens fixas e em movimento

Ø  As novas tecnologias contemporâneas

 

 

Bibliografia preliminar:

 

BARTHES, Roland. A Câmara Clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1984.

_____ A mensagem fotográfica, in Teoria da comunicação de massa, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1978.

 

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In Obras Escolhidas. Vol. I. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1996.

_____ Pequena História da Fotografia. in: Obras Escolhidas. São Paulo, Brasiliense, 1995.

_____ Daguerre o los panoramas. In: sobre La fotografía, Valência: Pre-textos, 5ª ed, 2008.

 

BERGER, John. Modos de Ver. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1999. pp 9 a 36

 

CRARY, Jonathan. In Charney & Schwartz (orgs.) O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

_____ Suspensiones de La percepción:

 

LYSSOVSKY, A máquina de esperar: origem e estética da fotografia moderna. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

 

MACHADO, Arlindo. In Flusser, Vilém. Ensaio Sobre a Fotografia: Para uma Filosofia da Técnica. (Filosofia  da Caixa Preta). Lisboa: Relógio D’Água Editores. 1998.

_____ O quarto iconoclasmo e outros ensaios hereges. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2001.

 

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: Charney, Leo; Schwartz, Vanessa (orgs.). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cossacnaify, s/d. PP.95 a 123

 

FLUSSER, Vilém . Filosofia da caixa preta. São Paulo: HUCITEC, 1985.

 

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre o documento e a arte contemporânea. São Paulo: Senac, 2009.

 

SONTAG, Susan. Ensaios sobre a fotograifa. Rio de Janeiro: Arbor, 1981

_____ Diante da dor dos outros. São Paulo, Cia das Letras, 2003.

 

XAVIER, Ismail. Cinema: Revelação e Engano. In: Novaes, Adauto (org). O Olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.