Arquivo | Janeiro, 2011

Horários – Filosofia

19 Jan

Seguem os horários do curso de Filosofia:

 

Quadro de horário 1º semestre 2011 – Filosofia

Horário – Relações Internacionais

14 Jan

Seguem os horários do curso de Relações Internacionais:

 

Horário-RI

DISCIPLINA: Intelectuais negros brasileiros: identidade, nação, projetos políticos e modernidade (séc. XIX e XX) – Carolina Vianna Dantas

6 Jan

Seminário em História da Cultura e das Mentalidades XI (GHT 04352)
Disciplina: Intelectuais negros brasileiros: identidade, nação, projetos políticos e
modernidade (séc. XIX e XX)
Docente: Carolina Vianna Dantas
Dia/Horário: 2ª e 4ª / 18-20h
Ementa: tema monográfico
Objetivos: Esse curso tratará das formas como alguns intelectuais negros brasileiros
viveram a experiência do racismo, da integração, da cidadania e da modernidade.
Também serão discutidos os projetos políticos, nacionais e de intervenção, as críticas
sociais e abordagens da questão racial encaminhados por esses mesmos intelectuais,
através de suas próprias obras e trajetórias, bem como da historiografia pertinente.
Unidades:
1) O “lugar” dos intelectuais negros brasileiros: sociabilidades, cânones e memórias
2) Os dilemas da “dupla consciência”: modernidade, nação, projetos políticos e
identidades
3) A experiência do racismo
4) Nas tramas da vida e da obra de: Luiz Gama; André Rebouças; José do Patrocínio;
Evaristo de Moraes; Lima Barreto; Juliano Moreira; Manoel Querino; Guerreiro Ramos;
Carolina de Jesus; Abdias do Nascimento.
5) Intelectuais negros brasileiros e a questão da “modernidade negra”
Dinâmica das aulas: o curso está baseado em aulas expositivas, abertas a diálogos e
debates na medida do interesse e da demanda da turma. Alguns filmes também estão
previstos.
Avaliação: um trabalho individual a ser entregue ao final da unidade 3, que consistirá
em responder a uma questão formulada pela professora (5,0); um trabalho monográfico
individual, a ser entregue ao final do semestre, sobre um dos intelectuais tratados ao
longo do curso. Esse trabalho deve, obrigatoriamente, incluir a análise de alguma fonte,
ou seja, uma obra do autor escolhido (crônicas, poesias, romance, ensaio, discurso,
autobiografia, etc.) (5,0).
Bibliografia básica:
AZEVEDO, Elciene. Orfeu de carapinha. A trajetória de Luiz Gama na imperial cidade
de São Paulo. Campinas, Editora da Unicamp, 1999.
CARVALHO, Maria Alice Rezende de. Intelectuales Negros en el Brasil del Siglo XIX.
In: ALTAMIRANO, Carlos; MYERS, Jorge. (Org.). Historia de los Intelectuales en
America Latina. Buenos Aires/Madrid, Katz Editores, 2008,
____. O quinto século. André Rebouças e a construção do Brasil. Rio de Janeiro, Revan,
1998
DOMINGUES, Petrônio. A “Vênus negra”: Josephine Baker e a modernidade afro-
atlântica. Estudos Históricos, vol. 23, n° 45, jan-jun 2010.
GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo, Rio
de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes, 2001.
GOMES, Heloísa Toller. As marcas da escravidão: o negro e o discurso oitocentista no
Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro,EdUERJ, 2009.
GUIMARÃES, Antonio Sergio. Intelectuais negros e modernidade no Brasil. Oxford:
Centre for Brazilian Studies, 2004 (working paper).
____. Intelectuais negros e formas de integração nacional. Estudos Avançados, São
Paulo, v. 18, n. 50, 2004.
____. Resistência e revolta nos anos 60: Abdias do Nascimento. Revista USP, São
Paulo, n. 68, 2006.
____. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2005

LEAL, Maria das Graças de Andrade. Manoel Querino: entre letras e lutas (1851-1923).
São Paulo, Annablume, 2010.
MATTOS, Hebe. Raça e cidadania no crepúsculo da modernidade escravista no Brasil. In:

GRIMBERG, Keila; SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial. Volume III (1870-1889). Rio de
Janeiro, Civilização Brasileira, 2009.

_____. GRIMBERG, Keila. Lapidário de Si: Antônio Pereira Rebouças e a escrita de si.
In: GOMES, Ângela de Castro. (Org.). Escrita de Si Escrita da História. Rio de Janeiro,
FGV, 2004.
MENDONÇA, Joseli. Evaristo de Moraes, tribuno da república. Campinas, Ed. UNICAMP,
2007.
OLIVEIRA, Lucia Lippi. A sociologia do Guerreiro. Rio de Janeiro, Revan, 1995.
PESSANHA, Andréa Santos. Da abolição da escravidão à abolição da miséria: a vida e

as idéias de André Rebouças. Rio de Janeiro, Quartet, 2005

OBS,: as obras dos próprios intelectuais negros serão indicadas ao longo do curso, bem
como a bibliografia complementar.

Email da coordenação sobre turmas de libras

6 Jan

Boa noite!
As turmas de libras para o próximo semestre são:
a) Quarta – 09/11 – 25 vagas – Prof. Alex Curione
b) Quinta – 20/22 – 25 vagas – Prof. Jeane Liza
Aconselhamos os alunos que ingressaram no curso a partir de 2009 a fazer tal disciplina.
Ainda não recebemos o horário da educação.
Um abraço,
Ana Mauad e Samantha Quadrat

Títulos das matérias da tarde.

6 Jan

1) CLÁUDIA REGINA SALGADO DE OLIVEIRA HANSEN

REFLEXÕES ACERCA DA HISTÓRIOGRAFIA ECONÔMICA BRASILEIRA E SOBRE A HISTÓRIA DE EMRESAS

Quinta-feira

2) Henrique Cesar Monteiro Barahona Ramos

 

Páginas de História das Idéias Jurídicas e  Religiosas no Brasil no grande século XIX: Tomas Antônio Gonzaga, Teixeira de Freitas e Rui Barbosa.

 

Segunda-feira

3)William vaz de oliveira

Foucault e a história: leituras possíveis!?

Segunda-feira
4) JANAINA MARTINS CORDEIRO
MEMÓRIA, CINEMA E DITADURA NO BRASIL
Terça-feira

DISCIPLINA: Teoria, Métodos e Historiografia – Mario Grynszpan

6 Jan

Professor: Mario Grynszpan

Disciplina: Teoria, Métodos e Historiografia (TMH)

Tipo: ——-

Eixo Cronológico: Linha Temática:

Período: 1-2011                       Turno: Manhã Horário: 2ª e 4ª

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: Teoria, Métodos e Historiografia (TMH)

Ementa:

Objetivos: O objetivo do curso é discutir alguns dos principais percursos trilhados pela disciplina histórica na segunda metade do século XX, partindo de um paradigma estrutural e caminhando até a sua ruptura. Serão estudadas novas vertentes da historiografia que se afirmaram a partir da crítica ao estruturalismo, como a nova história social, a nova história política, a história cultural, a micro-história, o novo historicismo, o contextualismo lingüístico, entre outras. Essas vertentes historiográficas serão analisadas a partir de suas bases teóricas, o que permitirá, ao mesmo tempo, avaliar suas implicações metodológicas.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

Boutier, Jean e Julia, Dominique, orgs. Passados recompostos. Campos e canteiros da história. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/Editora FGV, 1998.

Burke, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Editora da UNESP, 1992.

Chartier, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel, 1990.

Darnton, Robert. “História intelectual e cultural”. In: _____. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo, Companhia das Letras, 1990. pp. 175-197.

Greenblat, Stephen. “O novo historicismo: ressonância e encantamento”. Estudos Históricos, v. 4, n. 8: 244-261, 1991.

Koselleck, Reinhart. “História dos conceitos e história social”. In: Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro, Editora PUC-Rio, 2006. pp. 97-118.

Pocock, J. G. A. “O conceito de linguagem e o métier d’historien: algumas considerações sobre a prática”. In: _____. As linguagens do ideário político. São Paulo, Edusp, 2003. pp. 63-82.

Rémond, René (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2003.

Revel, Jacques (org.). Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro, Editora FGV, 1998.

Thompson, E. P. “Introdução: costume e cultura”. In: _____. Costumes em comum. São Paulo, Companhia das Letras, 1998. pp. 13-24.

DISCIPLINA: Introdução aos Estudos Históricos – Mario Grynszpan

6 Jan

Professor: Mario Grynszpan

Disciplina: Introdução aos Estudos Históricos (IEH)

Tipo: ——-

Eixo Cronológico: Linha Temática:

Período: 1-2011                       Turno: Manhã Horário: 2ª e 4ª

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: Introdução aos Estudos Históricos (IEH)

Ementa:

Objetivos: O objetivo básico desta disciplina é promover uma primeira socialização dos alunos em questões relativas ao ofício do historiador, à natureza da disciplina histórica de maneira mais ampla, refletindo sobre alguns de seus conceitos e noções estruturadores como tempo, memória e documento, entre outros. A reflexão sobre conceitos e noções servirá de base a uma discussão sobre correntes da historiografia.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

Bloch, Marc. “A história, os homens e o tempo”. In: _____. Introdução à história. 2a Lisboa, Publicações Europa-América, 1974. pp. 24-46.

Bourdé, Guy e Martin, Hervé. As escolas históricas. Lisboa, Publicações Europa-América, 1990.

Braudel, Fernand. “História e ciências sociais. A longa duração”. In: _____. Escritos sobre a história. São Paulo, Perspectiva, 1978. pp. 41-78.

Burke, Peter. “A história dos acontecimentos e o renascimento da narrativa”. In: _____, org. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Editora da UNESP, 1992. pp. 327-348.

Certeau, Michel de . “Fazer História” e “A operação historiográfica”. In: _____. A escrita da História. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982. pp. 31-119.

Finley, Moses I. “Mito, memória e história”. In: _____. Uso e abuso da história. São Paulo, Martins Fontes, 1989. pp. 3-27.

Furret, François. “Prefácio”. In: _____. A oficina da história. Lisboa, Gradiva, s/d. pp. 7-37.

Hobsbawm, Eric. “O sentido do passado”. In: Sobre história. São Paulo, Companhia das Letras, 1998. pp. 22-35.

Revel, Jacques. “História e ciências sociais: os paradigmas dos Annales”. In: _____. A invenção da sociedade. Lisboa, Difel, s/d. pp. 13-47.

DISCIPLINA: História e Biografia – Ronaldo Vainfas

6 Jan

Professor: Ronaldo Vainfas

Disciplina: História e Biografia

Tipo: Instrumental

Período: 01-2011       Turno: Manhã        Horário: Terças e quintas, de 09 às 11 hs

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: HISTÓRIA E BIOGRAFIA

Ementa: Estudo da biografia histórica como gênero. Abordagem teórico-metodológica e de casos específicos.

Programa preliminar:

Unidade I –  A biografia como gênero historiográfico

1. Biografia e historicismo

2. Crise e renascimento do gênero

3. Micro-história e prosopografia

4. Ilusão biográfica?

Unidade II – Biografia e personagen: celebração, vitimização, mitificação

1. Hagiografia, biografia e história

2. História, monumento e biografia

3. Romance histórico e biografia

4. Auto-biografia intelectual e ego-história

5. Diário, memória e auto-biografia

Unidade III – A biografia, suas metodologias e estratégias narrativas

1.  Biografias de grandes personagens

2.  Micro-biografias e micro-análise

3.  História Oral e biografia

4.  Biografia, história e teatro

5.  Biografia, história e cinema

Objetivos: Analisar a história da biografia enquanto gênero historiográfico e apresentar as dificuldades e possibilidades da pesquisa biográfica em história e na perspectiva transdisplinar.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

01. BARBIN, Herculine. O diário de um hermafrodita. Rio de Janeiro, Graal, 1983.

02. BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica”. In: M.de M.Ferreira e J.. Amado. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro, FGV,  pp.183-191.

03. BURKE, Peter (org). P.Burke (org). A escrita da história. Trad. São Paulo, UNESP, 1992

04. CHARTIER, Roger. “A história hoje: dúvidas, desafios, propostas”. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v.7 (13), 1994.

05. FOUCAULT, Michel. Eu, Pierre Riviere, que Degolei Minha Mãe, Minha Irmã e Meu Irmão. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

06. GINZBURG, Carlo. “O nome e o como”. In: A micro-história e outros ensaios. Lisboa, Difel, 1989.

07. LE GOFF, Jacques et al. Ensaios de Ego-história. Lisboa, Edições 70, 1989.

08.  PALHARES-BURKE, Maria. L. As faces da história. S.Paulo, UNESP, 2000

09. REVISTA ESTUDOS HISTÓRICOS. Dossiê Heróis nacionais. v.14, n.25, 2000.

10. STONE, Lawrence. “Prosopography. In: Daedalus, 100:46-79, 1971.

DISCIPLINA: Oficinas de História – Laura Maciel

6 Jan

Professor: Laura Antunes Maciel

Disciplina:    OFICINAS DE HISTÓRIA

Código: GHT ???

Tipo: Instrumental

Eixo Cronológico: Linha Temática:

Período: 1/2011      Turma: N1               Horário: 3a: 18/20 – 5a: 18/20

Ementa: Reflexão crítica sobre prática de pesquisa em História. Exercícios práticos de análise documental e bibliográfica; Iniciação à redação de textos acadêmicos diversos.

 

________________Programa de Disciplina__________________________

Título do Programa:

 

Objetivos:

Proporcionar aos alunos situações concretas de iniciação à pesquisa histórica, confrontando possibilidades de abordagem com os procedimentos de análise documental;

Exercitar procedimentos metodológicos básicos de pesquisa e análise bibliográfica;

Iniciar os alunos nos requisitos e procedimentos para elaboração de textos acadêmicos de natureza diversa;

 

Unidades:

A pesquisa em história: problemas, fontes, métodos;

Arquivos, museus, bibliotecas: reconhecendo acervos e suas possibilidades;

Fontes de conhecimento histórico: tipologias documentais e procedimentos de análise;

Produzindo textos acadêmicos: seleção de argumentos, interpretação e construção de narrativas.

 

Bibliografia de Referência:

ALBERTI, Verena. Histórias dentro da História. IN: PINSKY, Carla B. (org.). Fontes históricas. São Paulo, Contexto, 2005.

AMORIM, Eliane Dutra. Arquivos, pesquisa e as novas tecnologias. IN: FARIA FILHO, Luciano(org.) Arquivos, fontes e novas tecnologias. Questões para a história da Educação. Campinas, Autores Associados, 2000.

BOSCHI, Caio César. Por que estudar História? São Paulo: Ática, 2007.

BOSCHI, Caio. O historiador e os arquivos históricos: um depoimento pessoal. História & Perspectivas, nº 20/21. Uberlândia: EDUFU, 1999.

CARR, Edward H. O que é história? Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1980 .

CERTEAU, Michel de. A Escrita da história. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982.

CHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tabula rasa do passado? São Paulo, Ática, 1995.

FENELON, Déa Ribeiro. “A formação do profissional de história e a realidade do ensino”. Projeto História, 2, São Paulo, PUC/SP, 1982.

FONTANA, Josep. História: Análise do passado e projeto social. Bauru/São Paulo, EDUSC, 1998.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre História. Ensaios. São Paulo, Cia das Letras, 1998.

LARA, Sílvia Hunold. “Os documentos textuais e as fontes do conhecimento histórico”. Anos 90, Porto Alegre, v. 15, n. 28, dez. 2008.

LARA, Sílvia Hunold. “História, memória e museu”. Revista do Arquivo Municipal. São Paulo, Departamento do Patrimônio Histórico, n.200, 1991.

LARA, Sílvia. “Processos crime: o universo das relações sociais”. Anais do Museu Paulista, 33, 1984.

MATTOS, Ilmar Rohloff de (org.). Ler & escrever para contar. Documentação, historiografia e formação do historiador. Rio de Janeiro, Access. 1998.

SILVA, Marcos A. da (org.) – Repensando a História. 3a ed. Rio de Janeiro, Editora Marco Zero, s.d

SILVA, Marcos. História: o prazer em ensino e pesquisa. São Paulo, Brasiliense, 1995

VEYNE, Paul. Como se escreve a história. Brasília, UnB, 1998.

VIEIRA, Maria do Pilar de A. e outros. A pesquisa em história. São Paulo, Ática, 1989.

XAVIER, Regina. “A produção do conhecimento e sua apresentação: das fontes à elaboração do texto: o processo da escrita.” Diálogo. Canoas. La Salle, n.5, 2004.

Avaliação: (Procedimentos de avaliação)

1. Participação nas discussões e atividades durante as aulas;

2. Realização dos exercícios escritos;

3. Trabalho escrito individual a ser definido;

Observações:

As visitas técnicas a museus, arquivos e bibliotecas integrarão a carga horária da disciplina e serão realizadas em horários extras (no período da manhã ou tarde). Elas serão programadas e agendadas a partir das necessidades do curso e da disponibilidade dos alunos.

DISCIPLINA: A restauração portuguesa – Ronaldo Vainfas

6 Jan

Professor: Ronaldo Vainfas

Disciplina: História do poder e idéias políticas nos tempos Modernos

Eixo Cronológico: Baixa Idade Média-Época Moderna

Linha Temática: História do poder e Idéias políticas

Período: 01-2011       Turno: Manhã        Horário: Terças e quintas, de11 às 13 hs

______________________________Programa de Disciplina__________________________

Título: A RESTAURAÇÃO PORTUGUESA

Ementa: Estudo da Restauração portuguesa entre 1640 e 1669 em conexão com a história do mundo atlântico.

Programa preliminar:

Unidade I – Portugal na União ibérica

1. A tragédia de Alcácer-Quibir

2. Crise sucessória e sebastianismo

3. A Monarquia Dual com Filipe II

4. Portugal no tempo dos Filipes

5. Império colonial sob cerco holandês

Unidade II – Impasses da Restauração

1. Crise da monarquia Dual

2. A casa de Bragança e a Restauração

3. A conjuração filipina de 1641

4. Guerra e diplomacia brigantina

5. Insurreição pernambucana e restauração

Unidade III – Antônio Vieira e a Restauração

1. Vieira, conselheiro de d.João IV

2. O projeto modernizador sob liderança judaica

3. O conflito com a Inquisição

4. O Papel Forte de Vieira

5. Vieira e o Quinto Império

Objetivos: Familiarizar o aluno com o tema específico e exercitar a crítica historiográfica.

Bibliografia Básica (máximo de 10 obras):

1. AZEVEDO, João Lúcio de. História de Antônio Vieira. Lisboa, Clássica, 1918.

2. BOUZA ALVAREZ, Fernando. Portugal no tempo dos Filipes. Lisboa, Cosmos, 2000.

3. CARDIM, Pedro. Cortes e Cultura Política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, 1998.

4. COSTA, Leonor Freire & CUNHA, Mafalda Soares da. D.João IV. Lisboa. Círculo de Leitores, 2006..

5. FRANÇA, Eduardo d’Oliveira. Portugal na época da restauração. São Paulo, Hucitec, 1997.

6. HERMANN, Jacqueline. No reino do Desejado: a construção do sebastianismo em Portugal. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

7. MELLO, Evaldo Cabral, O negócio do Brasil: Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-1669. 3a.ed. revista. Rio de Janeiro, Topbooks, 2003.

8. TORGAL, Luís Reis. Ideologia política e Teoria do Estado na Restauração. Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1981.

9. VAINFAS, Ronaldo. Traição: um jesuíta a serviço do Brasil holandês processado pela Inquisição. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

10. VALLADARES, Rafael. A independência de Portugal: guerra e restauração, 1640-1680. Lisboa, A esfera dos Livros, 2006.